Destaque 

Comunidade internacional exige que Maduro esclareça morte de opositor

O governo venezuelano enfrentou nesta terça-feira (9) cobranças da comunidade internacional para esclarecer a morte de um vereador da oposição que, segundo as autoridades, cometeu suicídio na prisão, embora seus companheiros aleguem que foi assassinado.O corpo de Fernando Albán, de 52 anos, foi levado para a sede do Parlamento – de maioria opositora – para receber homenagens. Seus pais idosos e uma irmã choraram ante o caixão, coberto com a bandeira da Venezuela.

Mais tarde, foi levado para uma capela ardente na Universidade Central da Venezuela, onde formou-se em direito.

“Meu pai morreu por lutar pela democracia e pela liberdade na Venezuela”, escreveu no Twitter seu filho, Fernando Albán Osio.

 

Deputados e membros do Partido Primeiro Justiça, ao qual pertencia Albán, insistiram em que a morte, registrada na segunda-feira nos temidos calabouços do Serviço de Inteligência (Sebin) na capital, não foi um suicídio, mas um homicídio.

 

“Não acredito na história de que Fernando Albán se suicidou (…), não engolimos a história de que estava envolvido em alguma ação da qual o governo o queria acusar”, disse a jornalistas o ex-candidato à Presidência Henrique Capriles, copartidário do vereador.

 

Segundo o procurador-general, Tarek William Saab, de linha governista, Albán, detido na sexta-feira, acusado de participar de um suposto atentado contra o presidente Nicolás Maduro, “pediu para um ao banheiro e, estando ali, se jogou de uma altura de dez andares”. De acordo com o governo, ele esperava para ser levado aos tribunais.

 

O Parlamento aprovou nesta terça um acordo no qual “responsabiliza” o governo do presidente Nicolás Maduro pela morte do vereador, e pedirá à ONU e à Organização de Estados Americanos a nomeação de especialistas independentes para participar da investigação.

 

No entanto, as decisões do Legislativo são consideradas nulas pelo Poder Judiciário, que o declarou em desacato e na prática foi substituído por uma Assembleia Constituinte governista.

 

Enfatizando que o Estado tinha a obrigação de garantir a integridade de Albán, o escritório do Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos pediu uma “investigação transparente”.

 

Existem “relatórios contraditórios sobre o ocorrido”, declarou uma porta-voz do Alto Comissário, Ravina Shamdasani, em Genebra.

 

O vereador havia sido preso na sexta-feira, ao retornar de Nova York, acusado da explosão de um drone carregado com explosivo C-4 perto do palanque onde Maduro discursava, em 4 de agosto.

 

“Assassinos!”, escreveu no Twitter o deputado Julio Borges, fundador do Primeiro Justiça, que também foi vinculado pelo governo ao suposto atentado e está exilado na Colômbia.

 

Segundo o parlamentar, o corpo de Albán “foi atirado sem vida do edifício do Sebin”. Maduro não comentou o tema.

 

– “Estava sereno” –

 

Durante a cerimônia no Parlamento, o advogado de Albán, Joel García denunciou o sigilo em torno do caso. “Não nos permitiram entrar no Sebin para corroborar as circunstâncias, tampouco o acesso ao necrotério para presenciar a necropsia”, afirmou.

A União Europeia (UE) também exigiu uma “investigação exaustiva e independente para esclarecer as circunstâncias da morte trágica”, a segunda de um opositor preso no último ano.

 

“Esperamos que o governo venezuelano respeite os direitos humanos de todos os presos”, indicou em um comunicado o escritório da chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, que também pede a liberação de “todos os presos políticos”.

 

O Grupo de Lima exortou o governo a realizar uma investigação “independente, com aval internacional” para esclarecer os fatos, segundo um comunicado firmado por 11 de seus 14 países-membros, entre eles Argentina, Canadá, Chile, Colômbia e México.

 

O governo brasileiro emitiu um comunicado assinalando que as circunstâncias da morte de Albán “suscitam legítimas” duvidas sobre as responsabilidades e se somou ao pedido de investigação independente.

 

A embaixada americana na Venezuela afirmou que a morte de Albán é “suspeita” e constitui uma violação dos direitos humanos.

 

A Arquidiocese de Caracas, cujo trabalho social tem a participação do vereador, também propôs dúvidas sobre a versão do suicídio.

 

“Até ontem (domingo) soube-se que estava sereno e tranquilo. Inclusive, enviou diretrizes à sua equipe para que para que se mantivesse trabalhando a favor dos pobres”, destacou em um comunicado a Arquidiocese, forte crítica do governo.

 

O vereador do município de Libertador, de Caracas, fazia parte do grupo de 30 detidos no suposto ataque contra Maduro, que deixou sete militares feridos.

 

O presidente denuncia o fato como tentativa de magnicídio e responsabiliza como autores intelectuais Borges e o ex-presidente colombiano Juan Manuel Santos.

 

Albán tinha ido a Nova York na semana passada para visitar seus filhos e acompanhou Borges nas Nações Unidas.

 

– “Não é suicídio!” –

 

A morte de Albán se soma à do também vereador do Primeiro Justiça Carlos García, em setembro de 2017, por um acidente cardiovascular, após dez meses de detenção nos calabouços do Sebin em Guasdualito, estado de Apure. O partido denunciou que ele teve negado o cuidado médico.

 

O secretário-geral da OEA, Luis Almagro, escreveu no Twitter que a morte de Albán é “responsabilidade direta de um regime torturador e homicida”.

 

Na noite de segunda-feira, dezenas de pessoas fizeram uma vigília em frente ao Sebin. “Isto não é suicídio, isto é homicídio”, gritaram a agentes policiais.

 

Na Venezuela há 236 presos políticos, segundo a ONG Foro Penal.

Estado de Minas

Related posts

Leave a Comment