Brasil e Mundo Destaque 

Em sinal de isolamento de Maduro, ONU aprova 1ª resolução contra Venezuela

As Nações Unidas aprovaram pela primeira vez uma resolução contra o governo da Venezuela, pressionando o país para que aceite ajuda humanitária e dando um mandado explícito para que a entidade inspecione possíveis violações de direitos humanos em Caracas.

A aprovação no Conselho de Direitos Humanos da ONU mostra, na interpretação de diplomatas, que o regime de Nicolás Maduro está cada vez mais isolado. O texto ainda reconhece, também pela primeira vez, que o país vive “uma crise humanitária”.

A votação também foi marcada pelo apelo de Brasil, México e Europa contra qualquer iniciativa do governo de Donald Trump de usar uma intervenção militar para dar um fim à crise.

A Casa Branca e mesmo a direção da Organização dos Estados Americanos (OEA) têm falado abertamente sobre a possibilidade de uma ação militar para derrubar Maduro.

A aprovação no Conselho de Direitos Humanos da ONU mostra, na interpretação de diplomatas, que o regime de Nicolás Maduro está cada vez mais isolado. O texto ainda reconhece, também pela primeira vez, que o país vive “uma crise humanitária”.

A votação também foi marcada pelo apelo de Brasil, México e Europa contra qualquer iniciativa do governo de Donald Trump de usar uma intervenção militar para dar um fim à crise.

A Casa Branca e mesmo a direção da Organização dos Estados Americanos (OEA) têm falado abertamente sobre a possibilidade de uma ação militar para derrubar Maduro.

Mas ela também deixou claro que o Brasil não tolerará apelos à intervenção militar na Venezuela. “Repudiamos qualquer pedido de ação ou declaração que poderia implicar numa intervenção militar ou exercício do uso da violência na Venezuela”, declarou.

Ainda assim, a diplomata pediu que Maduro “coloque fim às violações de direitos humanos, libere prisioneiros políticos e respeite autonomia de poderes do Estado”.

Em nome da Europa, que votou totalmente a favor do texto, a Eslováquia afirmou estar “profundamente preocupada com o fracasso de proteger os direitos, além do enfraquecimento de instituições democráticas”. Mas também deixou claro que a intervenção não pode ser o caminho. “A Venezuela precisa de uma solução democrática e de um processo de diálogo”, defendeu.

Ataque

O embaixador da Venezuela, Jorge Valero, fez um duro ataque contra os governos que votaram à favor da resolução. “Nunca uma iniciativa foi tão hostil contra a Venezuela como essa”, disse. “É uma interferência em meu país e viola o diálogo. Trata-se de uma manipulação política.”

Para ele, o sofrimento da população é causado pelo embargo estrangeiro e por governos que querem “tutelar sobre a Venezuela”.

Valero disse que é “falso chamar a crise de humanitária”. “Os países que promovem isso querem derrubar Maduro. Denunciamos, portanto, essa resolução como o início de uma escalda intervencionista”, completou.

Saindo ao apoio de Maduro, o governo da China deixou claro que “sempre defende a não intervenção”. “Os venezuelanos tem capacidade de lidar sozinhos com seus problemas e temos de apoiar uma reconciliação”, disse.

Cuba, que votou contra a resolução, denunciou o documento por ser “uma interferência em assuntos domésticos da Venezuela”. “Estão usando os direitos humanos para politizar um ataque contra o governo”, denunciou.

Ao atacar a ideia de uma resolução, o chanceler venezuelano, Jorge Arreaza, criticou o uso dos direitos humanos como uma arma para justificar uma intervenção. Segundo ele, a assistência humanitária é “cínica”.

“Eles nos enforcam e depois querem nos salvar”, disse, acusando as sanções americanas e europeias como a razão pela crise que sofre o país. “Estamos em uma guerra econômica”, declarou.

Numa apresentação diante do Conselho de Direitos Humanos, ele ainda insistiu que, apesar da crise, seu governo garante educação, saúde e alimentos aos venezuelanos.

Estado de Minas

Related posts

Leave a Comment