Brasil e Mundo Destaque 

Ordens para incêndios a ônibus partiam da Penitenciária Nelson Hungria

O Departamento de Operações Especiais (Deoesp) e a 1ª Delegacia de Repressão ao Crime Organizado (1ª Draco) da Polícia Civil mineira desarticularam um braço de uma facção criminosa comandada a partir de presídios de São Paulo, que vinha agindo em Minas Gerais. A ação, que teve início em fevereiro, quando foram presas cinco pessoas, prosseguiu ontem, culminando com cumprimentos de mandados de prisão contra mais 12 suspeitos. Entre eles está Anderson Lopes Ferreira, de 41 anos, conhecido na organização criminosa como “Véio” ou “Peterson” e acusado de comandar o grupo de dentro da Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, na Região Metropolitana de BH.

A operação foi comandada pelo delegado Marcos Vinicius Lobo Leite Vieira, com o inspetor Marcos Matos e o subinspetor Raul Morais de Euclides, em trabalho conjunto com delegacias de Contagem (Grande BH), Alfenas, Itajubá, Paraisópolis, Cristina, Pouso Alegre (Sul de Minas) e Montes Claros (Norte de Minas), localidades onde a organização criminosa agia.

A primeira fase da investigação ocorreu em fevereiro, quando, segundo o delegado, foram apreendidos 100 quilos de maconha em Alfenas e Varginha, ambas no Sul mineiro. Na ocasião foram presas cinco pessoas: Pamela Henrique Alves, de 31; Eduardo Henrique dos Santos, de 38; Daniel Dias Pressato, de 37; Francelle dos Santos Vieira, de 36; e Adison Vieira, de 24. Foi a partir dessas prisões que os policiais conseguiram identificar e prender o restante da quadrilha da facção em Minas.

A segunda fase foi deflagrada em Alfenas, segundo o policial. Foram presos Aílton Silva Marques Vieira Bezerra, de 24; Flávia Cristina de Souza, de 38; e Daniel Henrique Vilela, de 19. O primeiro a ser detido foi Aílton. A partir dele, os policiais chegaram aos demais suspeitos. A prisão seguinte ocorreu em Montes Claros, quando policiais localizaram Ana Cláudia Abreu Rocha, de 22.

As investigações levaram ao cabeça desse braço da organização. Os policiais descobriam, segundo o delegado, que ordens para investidas criminosas, incluindo incêndios de ônibus, partiam da Penitenciária Nelson Hungria. Anderson foi flagrado comunicando-se com o comando da facção, em São Paulo, por celular. Feito um levantamento sobre seus antecedentes, o prontuário do criminoso mostrou que ele cumpria pena por tráfico, roubo e homicídio.

A partir de “Veio” houve outras seis prisões: Adriano William Siqueira Silva, de 25; Camila de Faria Silva, de 36; Rômulo Pinto Gomes, de 30; Ana Maria Gonçalves Marcondes, de 64; Carlos Jefferson Marcondes, de 22; e Douglas Mozzelli Rodrigues, de 23. Além disso foram cumpridos em Itajubá (Sul de Minas) 12 mandados de busca e apreensão e apreendidos dois menores que fariam parte da gangue.

Alguns detalhes impressionaram os policiais, como dois celulares do tamanho de pen drives apreendidos com o grupo. Assim como a confirmação de que os incêndios em ônibus, que aconteceram desde dezembro do ano passado em todo o estado foram todos determinados por “Veio”.

Para o delegado Marcos Vinicius Lobo Leite Vieira, o mais importante é que a operação cortou parte do financiamento da facção em Minas. “Nosso objetivo é enfraquecer a organização em nosso estado. Podemos dizer que já não existem mais ramificações nas sete cidades onde a operação aconteceu”, afirmou o policial. Além disso, as investigações detectaram que das ações de “Veio”, segundo o subinspetor Raul, partiam ordens para ações do mesmo grupo criminoso no Rio Grande do Norte.

Jogo de gato e rato com duas investigadas

Na ação que desmantelou o braço mineiro da facção paulista, chama a atenção uma situação enfrentada pelo delegado Marcos Vinícius Lobo Leite Vieira: duas das presas, Pamela Henrique Alves, de 31 anos, e Francelle dos Santos Vieira, de 36, já estão em liberdade. Mais ainda: chegaram a ser presas duas vezes e foram liberadas pela Justiça, por terem filhos pequenos.

“Elas foram presas na primeira fase da operação, mas fomos surpreendidos por esse argumento. Foram beneficiadas pela lei. Mas nós as seguimos: elas saíram da prisão e foram a um aglomerado em Belo Horizonte, para comprar mais drogas. Daqui seguiram para Varginha e lá foram presas novamente, por porte. Mas, mal entraram na cadeia, uma nova liberação apareceu. Pois bem: elas estão desaparecidas e pelo que consta, sem os filhos”, afirma o delegado. Há hoje, segundo o policial, dois mandados de prisão contra as acusadas, que estão foragidas.

Estado de Minas

Related posts

Leave a Comment